quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Que droga! Nosso país está entregue as mulheres

Antes que você mulher (a expressão hebraica para a palavra mulher é literalmente “homem feminino”) ache que sou um preconceituoso, safado, moralista, inadimplente mental, inepto, inábil entre muitas outras coisas, vou explicar o porquê desse título.

Na última segunda-feira (dia 06 de setembro) fui a um restaurante jantar com um amigo. Como levamos um bom tempo lendo documentos e conversando, antes do jantar, éramos constantemente procurados pelos garçons nos interpelando sobre a possibilidade de aceitarmos mais alguma bebida, ou nos perguntando se queríamos mais alguma coisa. (só para gastarmos dinheiro e engodarmos mais)

Depois de cansados (e nem tudo resolvido) decidimos que estava na hora do jantar. O garçom que nos atendeu o fez muito bem. Grande pericia na arte de servir. Coisa de garçom profissional.

A habilidade do garçom foi tanta que motivou - não lembro se eu ou meu colega - a tecer um comentário elogioso. Talvez esse tenha sido o estopim para o que veio em seguida. Ele (o garçom) falou com um orgulho extremo de como havia adquirido tal habilidade que o ajudou galgar a posição que agora ocupa. Nos disse que começou trabalhando na limpeza, depois passou a lavar os pratos, e em seguida, passou a servir. Antes desse retrospecto chegar ao final, mencionou seu desejo de chegar a gerência. Com tudo isso, me pareceu claro que para ele a experiência conta muito. Até aí tudo bem.

O que veio a seguir ainda não é de todo surpreendente (já percebeu que o principal protagonista da história foi o habilidoso garçom, não é?) porque ele usou sua história de potencial garçom exemplar, para imiscuir-se (vá ao dicionário) na política nacional. E confesso que fiquei feliz com sua visão a respeito de quão importante é sermos criteriosos em nossas escolhas. Mas, não demorou muito para ele iniciar o processo “cagatório” (dicionário?). Continuou cobrando experiência dos nossos representantes políticos. Disse que todos que quisessem assumir alguma função política deveria antes servir como “ajudante” de um político. E em seguida vieram sequências “diarréticas”:

- como pode até mulher querer se envolver em política? Nosso país está largado! (disse isso com pesar)

E continuou:

- agora é mulher pra tudo. Mulher, para ser juíza, mulher para ser ministra, mulher para ser deputada, mulher para ser presidenta.

Ainda tem a parte apoteótica. Após toda essa merdância, ele nos olhou, com olhos de indignação, e disse:

- Que droga! Nosso país está entregue as mulheres. O que é que elas sabem?

Geralmente pessoas com opiniões fracas - ainda que expostas com força – têm mania de tentar referendar seus argumentos, esperando concordância, e até acréscimo, fazendo uso de um: né não?!

Atônitos com aquelas afirmações tão espúrias, não dissemos nada. Apenas nos olhamos sem acreditar no que tínhamos acabado de ouvir. Nosso amigo garçom notando que não fizemos coro ao que havia sido dito, retirou-se.

Durante longos dois minutos nós ficamos calados esboçando - por meio de um sorriso amarelo - a nossa incapacidade de entender como é que continuamos nisso. Não é possível que em pleno o século 21 ainda existam pessoas que pensam assim. Fico totalmente perdido diante de uma verdade tão clara: estamos lascados!

Preocupado com nosso silêncio, ele voltou e perguntou diretamente a mim: o senhor é político? Respondi com um ar de surpresa:

- mais ou menos.

E ele voltou a perguntar:

- não estou certo não?

Mais uma vez acreditei que o silêncio seria a melhor resposta.

3 COMENTÁRIOS AQUI:

THEIA disse...

Caro amigo Joubert fico enojada como ainda existem mentes tão mediocres, se eu estevesse la , como militante feminista , teria colocado ele em seu insignificante lugar.Este ser parasitario com certeza por varias vezes em sua mediocre existencia,certamente,foi ultrapasso por uma mulher,o que no caso dele não seria algo muito dificil ou ao menos vitoria honrrosa.
É bom vermos estes exemplos , pois ai exclamo :É por isto que o pais esta na merda!!!!, Levando em conta que ainda vivemos em uma socieddae machista este tipo parasitario coloca outros parasitas no parlamento e ainda tem a audacia de afirmar que nos mulheres é que não sabemos nada, se observarmos a historia mundial o papel da mulher em comando foi e sempre sera astuto, cauteloso e inteligente ao contrario dos homens que ajem de forma inescrupulosa apenas afim de 'lustrar' sua vaidade.

Rodrigo Coutinho do Nascimento disse...

Que situação, hein? O cara ao invés de tentar "limpar" a cagada ainda voltou e fez mais um pouquinho.
É uma pena mesmo ver que esta mentalidade medíocre ainda sobrevive. Acho que está incrustada em nós (mesmo que no inconsciente) e que herdamos isso dos mais velhos que tiveram maior contato com esse tipo de pensamento paternalista-machista.
Mas aos poucos as cabeças vão se limpando e nós vamos contribuir com isso (vide a escola que idealizamos criar)...

carlos b disse...

de fato, lamentável que tenhamos que conviver ainda com tais visões de mundo...
mas acho igualmente lamentável o silêncio.
acostumados a identificar a mediocridade alheia, poucas vezes consideramos que as opiniões manifestadas pelos chamados "seres parasitários" são também o resultado de um processo muito eficaz de (des)educação. Será mesmo que todas as pessoas que emitem opiniões preconceituosas como essa têm a consciência de que o que nos ensinaram ao longo de toda a vida é um equívoco que precisa ser superado? Não seremos todos - e sobretudo os seres bem pensantes que escrevem em blogs e que são militantes do que quer que seja - educadores em tempo integral?
Deste modo, em lugar de seguir atirando pedras, insultando, ridicularizando os tais "seres parasitários", continuo acreditando que o diálogo sereno com estas pessoas - e com todas as demais - continua sendo a melhor forma de se enfrentar os desafios destas nossas vidas.

 

Fala Particular Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger